Artigo: A Língua Portuguesa no Mercado de Trabalho

Publicado originalmente em

LinkedIn

A Comunicação, no Mundo do Trabalho, é fundamental para o bom desenvolvimento das atividades diárias de uma empresa. Isso posto, a redação empresarial, ocorre, de modo relevante, pela escrita de e-mails, circulares, memorandos, relatórios, contratos, portfólios de produtos, artigos, resenhas em revistas e sites especializados.

Além da comunicação escrita, são frequentes ocasiões em que os profissionais (diretores, gerentes, coordenadores, executivos e funcionários de diferentes setores) necessitam fazer reuniões, conferências em que são levados a apresentar o trabalho de forma oral, ou seja, precisam falar com seus pares ou com outros profissionais sobre o assunto em pauta. Nesses momentos, a empresa (de pequeno ou grande porte), é representada e tudo que o empregador não quer é que quem o representa não se faça compreender por falta de domínio do conteúdo apresentado, da forma como deverá apresentar o conteúdo ou que cometa erros grosseiros gramaticais, fragilizando a imagem da empresa.

Isso posto, confirma-se que o Mundo do Trabalho necessita de profissionais que representem bem a empresa em seus textos orais e escritos. Seja em uma Conferência presencial ou via web. As chamadas webconferências inauguram a quebra de barreira geográfica e linguística entre empresas e clientes, parceiros. Em algumas empresas, reuniões via web fazem parte da rotina. Para tanto, é preciso que os profissionais dominem a língua (ou as línguas inglesa, espanhola, francesa, alemã...). No entanto, muito antes de conhecer línguas estrangeiras, é preciso que o profissional conheça bem a sua língua de origem, pois isso irá garantir bom relacionamento com seus funcionários e o relacionamento dos funcionários com suas lideranças.

O profissional que fala e escreve bem, sem dúvidas, tem mais chances de se destacar em seu ambiente de trabalho e de ser, assim, promovido, uma vez que percebidas as suas habilidades e competências linguísticas. Vale ressaltar que não basta dominar o assunto tratado em sua área, ter o conhecimento técnico, mas também, é preciso saber transmitir seus conhecimentos, de forma oral ou escrita apresentando coesão e coerência, expressões de transição, correção gramatical e fluência discursiva.

É importante estar ciente de que todo texto é persuasivo, ou seja, ele não quer apenas convencer que seu produto é bom, mas ele quer que este produto seja vendido, recebido, utilizado, que ele passe a fazer parte do cotidiano de seu público-alvo. Persuadir, dessa forma, é mais que convencer. Muitos se preocupam apenas em convencer, mas não atingem o ápice de persuadir. Um texto mal escrito (ou mal falado) compromete tanto a credibilidade do profissional quanto da empresa que ele representa. Um texto precisa ter aceitabilidade.

Por fim, é preciso estar atento para o fato de que os melhores profissionais (Tops) fazem cursos constantes e têm boa formação acadêmica. O mercado de trabalho está atento àqueles que se destacam pela boa retórica. Na verdade, é pela Comunicação que produtos e serviços são apresentados e chegam ao público-alvo. Falar e escrever bem é sempre um bom negócio.

Cintia Barreto é Doutora em Letras Vernáculas, Diretora da Conversa Literária e Consultora

Entre em Contato
Cintia Barreto - Doutora em Literatura Brasileira Cintia Barreto