Artigo: MÃE

Eu queria dizer muita coisa, mas me faltam palavras. O que sinto poeta algum conseguirá expressar. Esta Moça linda nunca me saiu da cabeça. De pequena, te admirava a beleza, encantada. Eu era sua fã! Depois fiquei rebelde, revoltada com as porradas do destino, com sua doença. Nunca soube lidar. Adoeci um pouco também. Mas fomos (e seremos pra sempre) unidas pelo Amor de Mãe e Filha. \'Cada um sabe a dor e a delícia de ser o que é". Nas minhas loucuras, você sempre me acompanhou. Realmente, me entendia. Gostava quando a gente dançava na sala, as duas alegres, sem motivo e riam da gente. Eu tenho muitas características suas: físicas e psicológicas. Sempre vibrava com minhas conquistas e eu ficava maravilhada com seu rocambole de doce de leite, com a torta de coco que só você sabia fazer nos nossos aniversários, com o frango com quiabo, a rabada, o guizado, tudo com angu mineiro. Minha saudade tem cor, cheiro, gosto...Vou sentir muito a sua falta por tudo de bom que vivemos nestes 47 anos e pelo que não conseguimos viver. Da nossa "loucura", faço versos. Eu sei que não fui a melhor filha do mundo, mas eu fui o que pude ser. A última coisa que você me disse no hospital foi que eu era bonita, me apresentou pro médico e sorriu. Quero ficar com esta lembrança e todas as outras boas que tivemos juntas. Agora, você viverá em mim pra sempre. Tudo de lindo que eu viver, todas as alegrias serão dedicadas a você, Mãe. Com sua partida, algo morreu em mim e vou renascer com e por você que sempre quis me ver feliz. Descansa, Mãe, porque nada dói mais. Só a saudade. Espero que tenha um Céu só pra você ir pra lá e ser feliz pra sempre. TE AMO, MÃE!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! ❤️😭
 
 

 

 
 
 
Entre em Contato
Cintia Barreto - Doutora em Literatura Brasileira Cintia Barreto